Nutrição e Alimentação

Arginina e seus precursores como aditivos potencias para matrizes suínas durante a gestação

PDF
Contenido disponible en

Para ler mais conteúdos de SuínoBrasil 4º Trimestre 2021

IPVS suinoBrasil

Arginina e seus precursores como aditivos potencias para matrizes suínas durante a gestação

A fase de gestação requer um aporte maior de nutrientes, tanto para a matriz quanto para os fetos em desenvolvimento e, nesse sentido, a nutrição aminoacídica é primordial, influenciando positivamente a maturação dos principais sistemas (muscular, cardiovascular, digestório, respiratório e esquelético).

A Arginina (ARG) é considerada um aminoácido condicionalmente essencial na dieta para algumas categorias de animais pois está associada a importantes funções nos processos reprodutivos, como um bom desenvolvimento da placenta e dos fetos (Wu et al., 2013).

As exigências de aminoácidos aumentam progressivamente ao passar da gestação, pela maior retenção de nitrogênio nos fetos e estruturas relacionadas ao desenvolvimento da glândula mamária (WU, 1997).

Siavs 2022

A transferência placentária inadequada de aminoácidos é um fator que contribui com maior acometimento de crescimento intrauterino retardado (CIUR) em mamíferos (LIN et al., 2014). Essa característica acarreta alta morbidade e mortalidade perinatal, maior chance de doenças, pior desempenho produtivo, menor qualidade de carcaça e carne (ALVARENGA et al., 2013; WU et al., 2006).

Entre as moléculas derivadas da ARG pode-se citar o óxido nítrico (ON) e as poliaminas, que participam ativamente do desenvolvimento fetal com o intuito de beneficiá-lo (BAZER et al., 2015).

O óxido nítrico tem sido associado ao aumento do fluxo sanguíneo (REYNOLDS et al., 2006), enquanto as poliaminas estimulam angiogênese, embriogênese e crescimento placentário (WU et al., 2005).

À vista disso, o uso de aminoácidos funcionais tem sido amplamente discutido nos últimos anos (WU et al., 2013), isso inclui o fornecimento da L-arginina (ARG) e seus precursores, o N-carbamoil glutamato(NCG) e a L-citrulina (CIT).

Além disso, o ON tem funções na regulação da expressão gênica, sinalização celular e atividade enzimática (WU et al., 2013), que contribui para a implantação, embriogênese, quiescência uterina durante a gestação, crescimento, desenvolvimento e sobrevivência fetal (PALENCIA et al., 2018).

Ademais, o ON auxilia:

 

MAIS SOBRE Nutrição e Alimentação

ESCUTE A REVISTA EM agriFM

agriFM

JUNTE-SE À NOSSA COMUNIDADE SUÍNA

Acesso aos artigos em PDF
Informe-se com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente na versão digital

DESCUBRA
AgriFM - Los podcast del sector ganadero en español
agriCalendar - El calendario de eventos del mundo agroganaderoagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formación para el sector de la ganadería