Desvendando o custo oculto: explorando o impacto do estresse oxidativo na produção de porcas

PDF

Para ler mais conteúdos de suínoBrasil 1º Trimestre 2024

Allan Paul Schinckel

Allan Paul Schinckel

César Augusto Pospissil Garbossa

Professor - FMVZ/USP
César Augusto Pospissil Garbossa
agronutri topo janeiro/24

Desvendando o custo oculto: explorando o impacto do estresse oxidativo na produção de porcas

Considerando a fisiologia e saúde reprodutiva suína, uma compreensão profunda da complexa interação entre estresse oxidativo, inflamação e desempenho reprodutivo em porcas se destaca como um ponto fundamental.

Uma grande gama de publicações tem realizado uma avaliação meticulosa dos níveis de estresse oxidativo em porcas, abrangendo tanto antes quanto depois do parto, elucidando assim as potenciais ramificações.

As manifestações do estresse oxidativo vão além da aparente redução na ingestão de alimentos, abrangendo ameaças graves ao desenvolvimento fetal, com possíveis desdobramentos culminando em eventos prejudiciais, como o aborto.

Um ponto primordial da saúde das porcas, é a espessura de toucinho, pois é um fator multifacetado que exerce influências sobre:

SINSUI 2024
  • Desempenho reprodutivo,
  • Metabolismo lipídico
  • Estresse oxidativo e
  • Respostas inflamatórias.
Desvendando o custo oculto: explorando o impacto do estresse oxidativo na produção de porcas

Os fatores de estresse fisiológicos concomitantes com o parto contribuem ainda mais para o grau de inflamação e estresse oxidativo nas porcas. Uma compreensão diferenciada do delicado equilíbrio entre esses fatores torna-se indispensável para garantir resultados reprodutivos ideais e o bem-estar da porca.

Pesquisas recentes têm avaliado os biomarcadores salivares como indicadores confiáveis da homeostase redox em porcas lactantes. Esses biomarcadores sofrem mudanças notáveis durante a lactação, oferecendo insights diferenciados sobre as oscilações dinâmicas que caracterizam o estado oxidativo durante os estágios cruciais da fisiologia reprodutiva.

Reconhecendo o papel fundamental que o stress oxidativo e a inflamação desempenham no desempenho reprodutivo e na saúde geral das porcas, torna-se evidente a necessidade de mais investigação sobre os mecanismos subjacentes.

O desvendar destas complexidades tem o potencial para o desenvolvimento de estratégias, mitigando eficazmente o impacto do stress oxidativo na saúde das porcas. Isto, por sua vez, contribui substancialmente para a melhora do manejo de suínos, promovendo práticas sustentáveis de produção de suínos. Tal compreensão é fundamental para o avanço científico dos resultados reprodutivos das porcas e para o refinamento de estratégias para otimizar as práticas de manejo reprodutivo dos suínos.

Desvendando o custo oculto: explorando o impacto do estresse oxidativo na produção de porcas

Desvendando o custo oculto: explorando o impacto do estresse oxidativo na produção de porcas

A avaliação do estresse oxidativo e da inflamação em porcas necessita a utilização de biomarcadores estabelecidos, oferecendo informações valiosas sobre a intrincada dinâmica da fisiologia reprodutiva e da saúde geral.

Os biomarcadores comumente empregados neste contexto incluem: [/cadastrar]

Estes marcadores servem como indicadores cruciais, permitindo uma avaliação abrangente do estresse oxidativo e das respostas inflamatórias nas porcas.

Estudos investigaram sistematicamente a associação entre esses biomarcadores e fatores-chave como condição corporal, ordem de parto, saúde placentária e lactação, revelando relações diferenciadas entre estresse oxidativo, inflamação, qualidade do colostro e desempenho reprodutivo.

A integração destes biomarcadores em protocolos de investigação contribui substancialmente para a compreensão do impacto do estresse oxidativo e da inflamação na saúde das porcas, promovendo avanços em estratégias destinadas a otimizar os resultados reprodutivos e o bem-estar geral dos suínos.

Desvendando o custo oculto: explorando o impacto do estresse oxidativo na produção de porcas

Desvendando o custo oculto: explorando o impacto do estresse oxidativo na produção de porcas

A etiologia do estresse oxidativo em porcas envolve vários fatores que impactam o desempenho reprodutivo e de lactação. A elevada atividade metabólica durante o final da gestação e lactação é um efetor primário, intensificando a produção de radicais livres.

também contribuem para o estresse oxidativo.

Micotoxinas e a alimentação com lipídios oxidados podem resultar em aumento do estresse oxidativo.

Ácidos graxos dietéticos, como a quantidade de ácidos graxos ômega-3 e a relação entre ácidos graxos ômega-6 e ômega-3, podem impactar a inflamação e o subsequente estresse oxidativo.

Estressores ambientais, como calor, estresse pelo frio, estresse induzido pelo transporte e altas densidades animais, somam-se ao estresse oxidativo, afetando negativamente a reprodução e a lactação. Alterações significativas nos níveis de estresse e inflamação, tem o seu pico durante o parto, evidenciadas pelo aumento de moéculas na saliva, incluindo cortisol, BChE, isoenzimas de ADA e Hp.

O estresse gestacional crônico impacta negativamente a produtividade e induz resistência à insulina durante a lactação.

O excesso de espessura de toucinho das porcas está relacionado com a expressão aumentada de citocinas e maior níveis de biomarcadores de estresse oxidativo na placenta, estabelecendo uma ligação entre estresse oxidativo e inflamação durante a gestação. O estresse oxidativo durante a lactação está associado a uma diminuição na produção de leite, impactando o crescimento dos leitões.

O estresse materno e a inflamação comprometem a qualidade do colostro e do leite, reduzindo a transferência de nutrientes e fatores imunológicos para os leitões, afetando sua função imunológica e resistência geral. Alterações no comportamento das porcas podem levar a uma nutrição subótima dos leitões, prejudicando o crescimento.

Desvendando o custo oculto: explorando o impacto do estresse oxidativo na produção de porcas

Desvendando o custo oculto: explorando o impacto do estresse oxidativo na produção de porcas

A inflamação em porcas durante a gestação e lactação afeta a utilização de nutrientes e o metabolismo em leitões, transmitida por meio de citocinas pró-inflamatórias elevadas e biomarcadores de estresse oxidativo no leite. O estresse crônico em porcas ativa o eixo HPA, influenciando a programação fetal e a expressão gênica em leitões, afetando o crescimento e a saúde a longo prazo.

O estresse e a inflamação induzem alterações na microbiota intestinal tanto em porcas quanto em leitões, perturbando a absorção de nutrientes e o desenvolvimento do sistema imunológico, dificultando ainda mais o crescimento. Compreender essas complexidades é vital para implementar estratégias eficazes de mitigação do estresse e da inflamação em porcas, otimizando o crescimento, saúde e desenvolvimento geral dos leitões em sistemas de produção.

A mortalidade de porcas atinge picos nas duas semanas antes e após o parto, destacando a vulnerabilidade das porcas durante este período. A inflamação ao redor do parto correlaciona-se com resultados adversos, como prolapso uterino e perda de porcas, demonstrando o impacto crítico dos processos inflamatórios na saúde das porcas.

Desvendando o custo oculto: explorando o impacto do estresse oxidativo na produção de porcas

Desvendando o custo oculto: explorando o impacto do estresse oxidativo na produção de porcas

Escore perineal podem identificar as porcas com maior risco de prolapso uterino. A elevada mortalidade de porcas devido ao prolapso de órgãos pélvicos, especialmente o prolapso uterino, está associada a intervenções obstétricas manuais durante o parto. Porcas mais velhas são predispostas ao prolapso uterino devido a fatores anatômicos.

Mitigar a inflamação durante o parto requer uma abordagem abrangente, abordando os fatores que contribuem para o prolapso uterino e adaptando práticas de manejo para porcas mais velhas. Compreender a relação entre as respostas inflamatórias das porcas e complicações reprodutivas é crucial para aprimorar a saúde geral do rebanho suíno e minimizar a mortalidade de porcas em sistemas de produção suinícolas.

Recentemente, geneticistas relataram que a incidência de prolapso uterino e retal é moderadamente hereditária e deve responder à seleção genética. Pesquisas adicionais são necessárias para compreender as relações genéticas da incidência de prolapso uterino e retal (variáveis binárias) com a produtividade das porcas, biomarcadores de estresse oxidativo e características de inflamação (variáveis contínuas).

Diferentes genéticas de porcas podem exigir diferentes abordagens nutricionais e de manejo, uma vez que a seleção genética para aumento do tamanho da leitegada e crescimento magro pode ter impactado tanto o nível de estresse oxidativo e inflamação quanto a sensibilidade aos estressores (resistência e resiliência).

Gerenciar efetivamente o estresse e a inflamação em porcas durante o parto e a lactação é crucial para otimizar o desempenho reprodutivo e garantir o bem-estar tanto da porca quanto dos leitões.

Uma abordagem abrangente é necessária, considerando a complexa interação de vários fatores que contribuem para o estresse oxidativo e respostas inflamatórias durante essas fases cruciais da reprodução.

Controlar os estressores ambientais é de suma importância.

Manter uma temperatura ambiente e ventilação ideal nas instalações de parto auxilia na mitigação do estresse térmico. Estratégias para aliviar altas densidades animais podem incluir um projeto adequado das instalações e práticas eficientes de manejo.

Oferecer suporte nutricional personalizado é essencial.

Formular dietas que atendam às demandas metabólicas específicas do final da gestação e lactação ajuda a prevenir a carga metabólica. Garantir uma dieta equilibrada, rica em antioxidantes e compostos anti-inflamatórios, auxilia na resistência da porca contra o estresse oxidativo.

A avaliação regular da condição corporal das matrizes, da ingestão de alimentos e de sinais comportamentais pode servir como indicadores precoces de estresse e inflamação. Intervenção rápida em caso de parto prolongado ou sinais de inflamação uterina pode prevenir a exacerbação do estresse oxidativo e seus efeitos prejudiciais no desempenho reprodutivo.

A implementação de técnicas de redução de estresse, como fornecer materiais adequados para o ninho e minimizar agitações durante o parto, contribui para uma experiência de parto mais tranquila para a porca. Garantir um ambiente calmo e silencioso pode impactar positivamente os níveis de estresse.

Desvendando o custo oculto: explorando o impacto do estresse oxidativo na produção de porcas

Desvendando o custo oculto: explorando o impacto do estresse oxidativo na produção de porcas

Práticas proativas de gestão de saúde, incluindo check-ups veterinários regulares e programas de vacinação, são cruciais. Abordar prontamente questões de saúde pode prevenir respostas crônicas de estresse e reduzir o risco de complicações inflamatórias durante o parto e a lactação.

Utilizar técnicas avançadas de monitoramento, como avaliar biomarcadores salivares e analisar parâmetros sanguíneos relacionados ao estresse e à inflamação, pode fornecer insights mais precisos sobre o estado fisiológico das porcas. Isso possibilita a detecção precoce de desvios das condições normais, permitindo intervenções direcionadas.

Monitorar e gerenciar a condição corporal das porcas é essencial, visto que o excesso de espessura de toucinho tem sido associado a uma expressão elevada de citocinas e biomarcadores de estresse oxidativo. Implementar estratégias para manter uma condição corporal ótima das porcas por meio de ajustes na dieta e práticas de manejo pode impactar positivamente a saúde das porcas.

A implementação de cuidados pós-parto eficazes é crucial. Monitorar as porcas em busca de sinais da síndrome de disgalactia pós-parto e abordar prontamente a inflamação sistêmica por meio de cuidados veterinários adequados é vital para minimizar o impacto no desempenho da lactação.

Uma abordagem holística e proativa para gerenciar o estresse e a inflamação em porcas durante o parto e a lactação envolve uma combinação de estratégias ambientais, nutricionais, de saúde e monitoramento. Ao abordar a natureza multifacetada desses desafios, os suinocultores podem aprimorar o bem-estar das porcas, otimizar os resultados reprodutivos e promover práticas sustentáveis na produção suína. A pesquisa contínua em técnicas e tecnologias de manejo inovadoras contribuirá ainda mais para o aprimoramento dessas estratégias.

Desvendando o custo oculto: explorando o impacto do estresse oxidativo na produção de porcas

Desvendando o custo oculto: explorando o impacto do estresse oxidativo na produção de porcas

Em resumo, a complexa interação entre estresse oxidativo, inflamação e desempenho reprodutivo em porcas modernas hiperprolíficas é um aspecto crítico da fisiologia e saúde reprodutiva suína. Investigações científicas revelaram a relação complexa entre esses fatores, enfatizando as implicações profundas na saúde das porcas, no crescimento dos leitões e na gestão geral do rebanho.

Biomarcadores como ROS, MDA, TAC e marcadores salivares têm se mostrado interessantes na avaliação do estresse oxidativo e das respostas inflamatórias, oferecendo insights abrangentes sobre a fisiologia das porcas. A etiologia multifacetada do estresse oxidativo, especialmente durante o final da gestação e lactação, destaca a necessidade de uma abordagem holística para gerenciar estressores ambientais, nutricionais e fisiológicos.

Notavelmente, a vulnerabilidade das porcas durante o período pós-parto, com picos de mortalidade e associações com prolapso uterino, destaca a importância de práticas de manejo personalizadas.

Uma estratégia proativa para o gerenciamento do estresse oxidativo durante o parto e a lactação envolve:

Ao adotar essa abordagem abrangente, os suinocultores podem otimizar o bem-estar das porcas, aprimorar os resultados reprodutivos e contribuir para práticas sustentáveis na produção suína. A pesquisa contínua em técnicas inovadoras de manejo permanece crucial para aprimorar essas estratégias no dinâmico cenário da produção suinícola. [/cadastrar] 

JUNTE-SE À NOSSA COMUNIDADE SUÍNA

Acesso aos artigos em PDF
Informe-se com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente na versão digital

DESCUBRA
AgriFM - Los podcast del sector ganadero en español
agriCalendar - El calendario de eventos del mundo agroganaderoagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formación para el sector de la ganadería