06 maio 2020

Cepea: comercialização de milho em abril nas principais praças acompanhadas esteve em ritmo lento

Os preços de milho voltaram a recuar no mercado interno em boa parte de abril, após terem registrado recorde em março. As cotações foram pressionadas pela baixa demanda interna. A comercialização de milho nas principais praças acompanhadas pelo Cepea esteve em ritmo lento, influenciada pelas incertezas relacionadas à pandemia de coronavírus e pelas preocupações econômicas, […]

Os preços de milho voltaram a recuar no mercado interno em boa parte de abril, após terem registrado recorde em março. As cotações foram pressionadas pela baixa demanda interna. A comercialização de milho nas principais praças acompanhadas pelo Cepea esteve em ritmo lento, influenciada pelas incertezas relacionadas à pandemia de coronavírus e pelas preocupações econômicas, cenário que influenciou na redução na liquidez no mercado de carnes, importante consumidor de milho.

Esse contexto só foi alterado na última semana do mês, quando as preocupações com o clima voltaram ao radar de agentes. Em abril, apenas chuvas pontuais foram registradas no CentroOeste, segundo o Cptec. No Sul do País, as precipitações estão irregulares e não aliviaram a situação das lavouras, que precisam de mais umidade neste estágio de desenvolvimento. Por enquanto, os órgãos oficiais apontam segunda safra recorde, mas as estimativas ainda podem ser reajustadas em decorrência do atual cenário de clima desfavorável – a Conab indica colheita de 75,43 milhões de toneladas do cereal na segunda temporada.

Apesar da recuperação no final de abril, no acumulado do mês, as cotações ainda apresentaram forte baixa. Nas médias das regiões acompanhadas pelo Cepea, as negociações de balcão (preço pago ao produtor) acumularam queda de 10,6% e no disponível (negociações entre empresas), de 12,3%. Especificamente na região consumidora de Campinas (SP), o Indicador ESALQ/BM&FBovespa caiu 19,6% no acumulado de março (entre 31 de março e 30 de abril), fechando a R$ 48,35 saca de 60 quilos na quinta-feira, 30.

A média do Indicador, de R$ 52,92/sc, mantém os patamares elevados em 2020, sendo menor apenas que a média de março/20. Na B3, as quedas nos preços ocorreram em menor intensidade, ainda influenciadas pela perspectiva de maior oferta da segunda safra e por incertezas quanto à demanda nos próximos meses. Assim, os contratos Mai/20 e Jul/20 se desvalorizaram 6,8% e 3,5% no acumulado do mês, fechando a R$ 47,23 e R$ 44,96/sc de 60 kg, respectivamente.

Advista CHR-HANSEN

EXPORTAÇÃO – A comercialização não esteve calma apenas no mercado interno. O ritmo de negócios para exportação também apresentou ritmo lento em abril. A prioridade foi para os embarques de soja. Além disso, mesmo com a desvalorização do grão, os preços no interior do País ainda estão mais atrativos do que nos portos. A diferença entre o Indicador ESALQ/BM&FBovespa e as cotações em Paranaguá caiu de 14 Reais/sc em março para 9 Reais/sc em abril. Por outro lado, o avanço do dólar frente ao Real elevou o interesse pelo produto para o segundo semestre. A indicação de preços para agosto e setembro passou de R$ 43,00/sc em março para R$ 44,00/sc em abril, chegando, em alguns casos, em R$ 48,00/sc.

MERCADO INTERNACIONAL – As cotações no front externo também estiveram enfraquecidas em abril. Os principais fatores para a queda estão relacionados às preocupações com a demanda pelo cereal em meio ao avanço da pandemia do coronavírus nos Estados Unidos. Com a menor demanda por etanol neste país, produtores se preocupam com as negociações do cereal, uma vez que um terço da produção de milho é destinado para produzir etanol. Além disso, neste ano o clima tem colaborado com o avanço do plantio.

O ritmo de semeio nos Estados Unidos superou, no final de abril, a média dos últimos anos. Segundo relatório do USDA divulgado no dia 3 de maio, juntos, os 18 maiores produtores de milho daquele país plantaram 51% da área prevista para esta temporada, acima dos 39% da média dos últimos cinco anos (2015-2019). Na Bolsa de Chicago (CBOT), os contratos Maio/20 e Jul/20 se desvalorizaram 8,58% e 7,51%, a US$ 3,115/bushel (US$ 122,63/t) e a US$ 3,20/bushel (US$ 125,98/t), respectivamente, no dia 30 de abril.

Relacionado com Milho

REVISTA SUÍNO BRASIL

Suscribete ahora a la revista técnica de avicultura

EDIÇÃO Revista SuínoBrasil 2º Trimestre 2022
IPVS 2022 novas perspectivas da suinocultura: biossegurança, produtividade e inovação

IPVS 2022 novas perspectivas da suinocultura: biossegurança, produtividade e inovação

Fernanda Radicchi Campos Lobato de Almeida
Intestino, o maior órgão imune do organismo – Parte 1

Intestino, o maior órgão imune do organismo – Parte 1

Cândida Azevedo Henrique Cancian
Complexos multi-enzimáticos melhoram a digestibilidade e desempenho nos suínos

Complexos multi-enzimáticos melhoram a digestibilidade e desempenho nos suínos

Equipe Adisseo
Diversidade microbiana intestinal de suínos e quadros de disenteria suína

Diversidade microbiana intestinal de suínos e quadros de disenteria suína

Amanda G. S. Daniel Roberto M. C. Guedes
Nutrição sustentável de suínos

Nutrição sustentável de suínos

Carlos Alexandre Granghelli Cristiane Soares da Silva Araújo Lúcio Francelino Araújo Luiz Antônio Vitagliano
Rotavirose suína: epidemiologia, patogenia, sinais clínicos, diagnóstico e controle da doença

Rotavirose suína: epidemiologia, patogenia, sinais clínicos, diagnóstico e controle da doença

João Paulo Zuffo Jônatas Wolf Ricardo Yuiti Nagae
Encontro Regional ABRAVES-PR 2022

Encontro Regional ABRAVES-PR 2022

Avaliação da eficácia de um inativador de micotoxinas frente a um adsorvente em leitões na fase de creche

Avaliação da eficácia de um inativador de micotoxinas frente a um adsorvente em leitões na fase de creche

Equipe técnica de suínos da Vetanco
A evolução da suinocultura brasileira e a  importância da realização do 10º IPVS (International Pig Veterinary Society) em 1988

A evolução da suinocultura brasileira e a importância da realização do 10º IPVS (International Pig Veterinary Society) em 1988

Luciano Roppa
A vida intrauterina pode influenciar o desenvolvimento gastrointestinal dos suínos?

A vida intrauterina pode influenciar o desenvolvimento gastrointestinal dos suínos?

Ana Luísa Neves Alvarenga Dias Fernanda Radicchi Campos Lobato de Almeida Fernanda Radicchi Campos Lobato de Almeida Letícia Pinheiro Moreira Thais Garcia Santos
Fêmeas hiperprolíficas: existe manejo ideal durante a lactação?

Fêmeas hiperprolíficas: existe manejo ideal durante a lactação?

César Augusto Pospissil Garbossa
Desequilíbrio entre a oferta e demanda de carne suína e os impactos na rentabilidade do setor

Desequilíbrio entre a oferta e demanda de carne suína e os impactos na rentabilidade do setor

Wagner Yanaguizawa

JUNTE-SE À NOSSA COMUNIDADE SUÍNA

Acesso aos artigos em PDF
Informe-se com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente na versão digital

DESCUBRA
AgriFM - Los podcast del sector ganadero en español
agriCalendar - El calendario de eventos del mundo agroganaderoagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formación para el sector de la ganadería