14 jul 2020

Manejo do colostro: o cuidado que faz a diferença

Para aumentar as chances de sobrevivência dos leitões, é importante intensificar práticas que assegurem maior assistência, principalmente nos três primeiros dias de vida. Entre elas, o manejo do colostro ocupa lugar de destaque, por elevar a viabilidade dos neonatos e potencializar seu desenvolvimento. Confira aqui as técnicas de manejo do colostro!

Manejo do colostro: o cuidado que faz a diferença

A mortalidade pré-desmame é hoje um dos principais desafios da suinocultura. Os índices de perdas nessa etapa variam entre 5 e 15% e, em alguns casos, podem comprometer o fluxo produtivo das unidades de produção.

O colostro é fonte de nutrientes, auxilia na termorregulação, fornece fatores de crescimento e protege os leitões contra doenças.

Parte da defesa fornecida pelo colostro é transferida apenas pela ingestão do colostro da mãe biológica, sendo recomendado que os leitões fiquem de 12h a 24h com suas mães e, no mínimo, 6h.

Para aumentar as chances de sobrevivência dos leitões, é importante intensificar práticas que assegurem maior assistência, principalmente nos três primeiros dias de vida. Entre elas, o manejo do colostro ocupa lugar de destaque, por elevar a viabilidade dos neonatos e potencializar seu desenvolvimento.

Ipvs 2022 Siavs 2022

TÉCNICAS

Existem diferentes técnicas para o manejo do colostro e a escolha de qual delas implementar deve considerar a realidade da unidade de produção e o perfil dos colaboradores.

Conheça neste artigo as principais estratégias usadas para reduzir a mortalidade pré-desmame e veja qual melhor se adequa às características de sua granja.

1) Amamentação Fracionada

A amamentação fracionada é um dos métodos mais simples. A técnica consiste em:

Dividir a leitegada em grupos de até 8 leitões, por ordem de nascimento, com objetivo de permitir que todos os leitões tenham uma ingestão de colostro uniforme.

Os grupos devem ficar separados por 30 minutos, sendo que o manejo se inicia quando o número de leitões nascidos vivos ultrapassa o número de tetos viáveis.

Os leitões de baixo peso (<1 kg) não devem entrar no rodizio, para que tenham maior acesso à fêmea, enfrentando menor competição.

colostro

A amamentação fracionada é utilizada, geralmente, em unidades de produção com fêmeas de grandes leitegadas.

É uma técnica indicada também para fêmeas que produzem leitegadas heterogêneas, com grande variação de peso entre os leitões, e nas quais os pequenos e médios têm desvantagem para encontrar uma teta e mantê-la, devido à forte concorrência com os leitões mais pesados.

colostro O sucesso da amamentação fracionada depende da organização e do engajamento dos colaboradores da maternidade.

colostroA equipe deve estar atenta às leitegadas que estão sendo manejadas, uma vez que a restrição de ingestão de colostro por períodos prolongados de contenção tem impacto direto sobre viabilidade e mortalidade pré-desmame.

colostro

Uma forma prática de garantir que não haverá falhas é utilizar marcações por cores (figura 1).

colostro

Figura 1. Ilustração de manejo de ingestão de colostro. 1- Leitão marcado em azul deve estar mamando. 2- Leitão marcado em amarelo deve estar contido em ambiente limpo, seco e aquecido. Os leitões sem marcação (baixo peso), não devem entrar no rodízio.

colostro

TREINAMENTO NO ÚBERE

Por meio desse método, os leitões neonatos são ensinados a se alimentar nas tetas da fêmea.

De maneira geral, é preciso:

auxiliar o leitão na mamada, até que o comportamento de sucção se estabeleça;

esse exercício deve ser feito em até 30 minutos após o parto;

Os leitões precisam receber o colostro o mais rápido possível, já que é ele que fornece a imunidade passiva necessária para sua proteção e a energia para sua termorregulação.

caso seja necessário, o procedimento deve ser repetido 30 minutos após a primeira tentativa;

é importante, também, que o intervalo entre o nascimento e o treinamento no úbere seja o mais curto possível;

marque os neonatos que mais necessitam de atenção (nascidos com <1 kg) e escolha uma teta adequada.

O objetivo é o de que os leitões consumam, sozinhos, o colostro após essa intervenção.

COLETA E ADMINISTRAÇÃO MANUAL DO COLOSTRO

Trata-se de um método mais trabalhoso e que exige maior comprometimento dos colaboradores, mas que traz resultados efetivos.

colostroA coleta do colostro deve ser realizada, preferencialmente, em fêmeas de ordem de parto de 3 a 5, entre 1 e 3 horas após o nascimento dos leitões, em frascos com cone largo para facilitar a coleta e evitar desperdício.

colostroOs leitões hipotérmicos, inanes e os nascidos entre 0,9 e 1,2 kg, que apresentem dificuldades para começar a se alimentar, devem ser identificados para receber esse manejo (garantir que os leitões estejam sendo aquecidos).

Promover uma administração correta do colostro ao leitão é outro ponto a ser observado.

colostro

Para isso, geralmente, utiliza-se:

a sonda orogástrica, que deve possuir tamanho e maciez apropriados;

ou uma seringa levando o colostro à boca para os leitões que possuem reflexo de sucção;

a sonda deve ser conduzida por colaborador experiente e bem capacitado para que seja introduzida com sucesso no estômago do animal;

Este manejo deve ser realizado nas primeiras horas de vida com o objetivo de promover aporte suficiente para permitir que os leitões procurem o teto e iniciem a amamentação.

colostro

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Reduzir a mortalidade pré-desmame é uma meta importante para o aumento da eficiência e da lucratividade nas unidades de produção de suínos.

O manejo do colostro tem se mostrado um recurso eficaz por contribuir para o aumento do número de leitões desmamados.

São técnicas simples, que dependem da capacitação, organização e empenho da equipe, mas cuja correta execução garante bons resultados, pois permite elevar a viabilidade dos leitões de baixo peso, potencializando seu desenvolvimento nas fases subsequentes de seu ciclo produtivo.

colostro

Relacionado com porciNews

REVISTA SUÍNO BRASIL

Suscribete ahora a la revista técnica de avicultura

EDIÇÃO Revista SuínoBrasil 2º Trimestre 2022
IPVS 2022 novas perspectivas da suinocultura: biossegurança, produtividade e inovação

IPVS 2022 novas perspectivas da suinocultura: biossegurança, produtividade e inovação

Fernanda Radicchi Campos Lobato de Almeida
Intestino, o maior órgão imune do organismo – Parte 1

Intestino, o maior órgão imune do organismo – Parte 1

Cândida Azevedo Henrique Cancian
Complexos multi-enzimáticos melhoram a digestibilidade e desempenho nos suínos

Complexos multi-enzimáticos melhoram a digestibilidade e desempenho nos suínos

Equipe Adisseo
Diversidade microbiana intestinal de suínos e quadros de disenteria suína

Diversidade microbiana intestinal de suínos e quadros de disenteria suína

Amanda G. S. Daniel Roberto M. C. Guedes
Nutrição sustentável de suínos

Nutrição sustentável de suínos

Carlos Alexandre Granghelli Cristiane Soares da Silva Araújo Lúcio Francelino Araújo Luiz Antônio Vitagliano
Rotavirose suína: epidemiologia, patogenia, sinais clínicos, diagnóstico e controle da doença

Rotavirose suína: epidemiologia, patogenia, sinais clínicos, diagnóstico e controle da doença

João Paulo Zuffo Jônatas Wolf Ricardo Yuiti Nagae
Encontro Regional ABRAVES-PR 2022

Encontro Regional ABRAVES-PR 2022

Avaliação da eficácia de um inativador de micotoxinas frente a um adsorvente em leitões na fase de creche

Avaliação da eficácia de um inativador de micotoxinas frente a um adsorvente em leitões na fase de creche

Equipe técnica de suínos da Vetanco
A evolução da suinocultura brasileira e a  importância da realização do 10º IPVS (International Pig Veterinary Society) em 1988

A evolução da suinocultura brasileira e a importância da realização do 10º IPVS (International Pig Veterinary Society) em 1988

Luciano Roppa
A vida intrauterina pode influenciar o desenvolvimento gastrointestinal dos suínos?

A vida intrauterina pode influenciar o desenvolvimento gastrointestinal dos suínos?

Ana Luísa Neves Alvarenga Dias Fernanda Radicchi Campos Lobato de Almeida Fernanda Radicchi Campos Lobato de Almeida Letícia Pinheiro Moreira Thais Garcia Santos
Fêmeas hiperprolíficas: existe manejo ideal durante a lactação?

Fêmeas hiperprolíficas: existe manejo ideal durante a lactação?

César Augusto Pospissil Garbossa
Desequilíbrio entre a oferta e demanda de carne suína e os impactos na rentabilidade do setor

Desequilíbrio entre a oferta e demanda de carne suína e os impactos na rentabilidade do setor

Wagner Yanaguizawa

JUNTE-SE À NOSSA COMUNIDADE SUÍNA

Acesso aos artigos em PDF
Informe-se com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente na versão digital

DESCUBRA
AgriFM - Los podcast del sector ganadero en español
agriCalendar - El calendario de eventos del mundo agroganaderoagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formación para el sector de la ganadería