11 set 2020

Mortalidade neonatal, como problema econômico e de bem-estar animal

A mortalidade neonatal dos leitões é o resultado de um conjunto complexo de interações entre a porca, os leitões e o ambiente, de tal forma que a identificação de uma única causa costuma ser muito difícil. Confira os aspectos relacionados à mortalidade neonatal, aqui!

Mortalidade neonatal, como problema econômico e de bem-estar animal

A mortalidade neonatal dos leitões é um grande problema econômico e de bem-estar animal. A porcentagem de mortalidade neonatal varia muito entre as granjas, variando entre 5 e 35%. As mortes ocorrem principalmente durante as primeiras 48 horas após o parto, sendo o esmagamento pelas porcas a principal causa de mortalidade.

No entanto, a mortalidade neonatal dos leitões é o resultado de um conjunto complexo de interações entre a porca, os leitões e o ambiente, de tal forma que a identificação de uma única causa costuma ser muito difícil.

Vetanco SuinoBrasil Advista

Interações que ocorrem no complexo hipotermia – fome – esmagamento (modificado de Edwards, 2002).

Embora vários estudos identifiquem o esmagamento como a principal causa de morte de leitões, o esmagamento é muitas vezes o resultado dos efeitos combinados de hipotermia perinatal e fome.

 

Os leitões desnutridos passam mais tempo perto da porca e têm maior probabilidade de serem esmagados.

 

O sistema imunológico do leitão recém-nascido é imaturo, então a ingestão de colostro (que é uma fonte de energia e imunoglobulinas) antes de 36 horas após o parto é essencial para sua sobrevivência.

 

A fome, que geralmente é secundária à hipotermia neonatal, torna os leitões ainda mais letárgicos e menos capazes de competir com seus irmãos de ninhada pelo acesso ao úbere.

A temperatura crítica mais baixa dos leitões recém-nascidos é de 34ºC e quando a temperatura ambiente é mais baixa, os leitões tentam se aquecer amontoando. Uma das razões pelas quais os leitões recém-nascidos são tão sensíveis ao frio é a falta de tecido adiposo marrom.

Importância do vigor do leitão e do peso ao nascimento

Garantidas as reservas corporais e a capacidade de termorregulação, o fator mais importante para a sobrevivência do leitão é o seu vigor logo após o nascimento.

 

O vigor do leitão recém-nascido pode ser medido por observações comportamentais, como o tempo que leva para acessar o úbere, e parâmetros fisiológicos como o tônus muscular.

 

O vigor pode variar consideravelmente entre os leitões da mesma leitegada e essa variabilidade depende muito do grau de hipóxia no nascimento. Os leitões que nasceram por último e os que nasceram com partos mais longos são mais propensos à hipóxia. A asfixia neonatal pode causar acidose grave e tem consequências negativas significativas.

Leitões com baixo peso ao nascer apresentam maiores riscos de mortalidade e crescimento reduzido durante a lactação. Assim, os leitões com menos de 1 kg ao nascer têm maior risco de morrer antes do desmame.

ALEITAMENTO

O aleitamento dura entre 2 e 3 minutos, enquanto a ejeção do leite é concluída em 10 a 20 segundos.

Leitões da mesma leitegada amamentam simultaneamente a cada 30 a 70 minutos e até 20 vezes ao dia. O aleitamento inclui cinco fases diferentes:

Nas três primeiras fases, é estabelecido um processo de comunicação entre a porca e sua leitegada para garantir que os leitões estejam no úbere quando começa a ejeção do leite.

 

A porca deita-se, expõe o úbere e solta uma série de rosnados com frequência crescente.

 

 

 

Os leitões competem para obter acesso ao úbere;

 

 

 

massageiam o úbere ritmicamente;

 

 

 

estimulam a liberação de oxitocina da mãe por meio de movimentos lentos de sucção;

 

 

 

consiste na ejeção do leite. Durante esta fase, a porca aumenta a frequência dos grunhidos e os leitões realizam movimentos rápidos de sucção.

 

ocorre após a ejeção, os leitões massageiam o úbere e realizam movimentos lentos de sucção. Sugere-se que nesta fase os leitões estimulem a síntese do leite que irão consumir na próxima mamada. Durante a quinta fase do aleitamento, a porca diminui a frequência de seus grunhidos.

 

Tanto a vitalidade quanto o peso ao nascer determinam o grau de estimulação do úbere e, consequentemente, a quantidade de leite consumida.

 

A falta de vigor do leitão e um reduzido comportamento materno são as principais causas da mortalidade neonatal.

COMPORTAMENTO MATERNO

Vários elementos do comportamento materno são relevantes para a sobrevivência do leitão. O comportamento de nidificação é importante não apenas para o parto em si, mas também para a expressão de um comportamento apropriado durante e após o parto.

 

A expressão correta do comportamento de nidificação tem sido associada a uma menor taxa de mortalidade durante a lactação e a um aumento na duração dos episódios de amamentação.

 

A porca inquieta tem maior probabilidade de esmagar os leitões, que também têm mais dificuldade em localizar o úbere e ingerir colostro ou leite, com consequente aumento da mortalidade neonatal.

O esmagamento geralmente ocorre quando a porca se deita a partir de uma posição em pé ou sentada, quando se senta depois de se deitar ou quando se vira.
A velocidade e a natureza dos movimentos feitos pela porca dependem muito da “qualidade” de seu comportamento materno. As porcas que não esmagam nenhum dos leitões apresentam um comportamento materno mais desenvolvido.

realizam o comportamento de nidificação por mais tempo ou com mais intensidade,

 

respondem mais rapidamente às vocalizações emitidas pelos leitões e farejam com maior frequência.

 

A percentagem de porcas agressivas com os próprios leitões varia entre 1 e 15%. Esse comportamento agressivo é mais comum em primíparas do que em multíparas e parece ser de caráter genético.

A produção de leite varia entre as porcas, especialmente durante os primeiros dias de lactação.

A produção insuficiente de leite pode explicar entre 6 e 17% das mortes durante a lactação.

 

As falhas na lactação podem ser decorrentes de:

estresse calórico,

problemas metabólicos,

desequilíbrios endócrinos ou

doenças da porca como metrite, por exemplo.

 

Deve-se considerar a possibilidade de um problema de agalactia quando mais de três leitões da mesma leitegada  morrem.

 

 

Fonte: Redação SuínoBrasil.

 

Relacionado com porciNews

REVISTA SUÍNO BRASIL

Suscribete ahora a la revista técnica de avicultura

EDIÇÃO Revista SuínoBrasil 2º Trimestre 2022
IPVS 2022 novas perspectivas da suinocultura: biossegurança, produtividade e inovação

IPVS 2022 novas perspectivas da suinocultura: biossegurança, produtividade e inovação

Fernanda Radicchi Campos Lobato de Almeida
Intestino, o maior órgão imune do organismo – Parte 1

Intestino, o maior órgão imune do organismo – Parte 1

Cândida Azevedo Henrique Cancian
Complexos multi-enzimáticos melhoram a digestibilidade e desempenho nos suínos

Complexos multi-enzimáticos melhoram a digestibilidade e desempenho nos suínos

Equipe Adisseo
Diversidade microbiana intestinal de suínos e quadros de disenteria suína

Diversidade microbiana intestinal de suínos e quadros de disenteria suína

Amanda G. S. Daniel Roberto M. C. Guedes
Nutrição sustentável de suínos

Nutrição sustentável de suínos

Carlos Alexandre Granghelli Cristiane Soares da Silva Araújo Lúcio Francelino Araújo Luiz Antônio Vitagliano
Rotavirose suína: epidemiologia, patogenia, sinais clínicos, diagnóstico e controle da doença

Rotavirose suína: epidemiologia, patogenia, sinais clínicos, diagnóstico e controle da doença

João Paulo Zuffo Jônatas Wolf Ricardo Yuiti Nagae
Encontro Regional ABRAVES-PR 2022

Encontro Regional ABRAVES-PR 2022

Avaliação da eficácia de um inativador de micotoxinas frente a um adsorvente em leitões na fase de creche

Avaliação da eficácia de um inativador de micotoxinas frente a um adsorvente em leitões na fase de creche

Equipe técnica de suínos da Vetanco
A evolução da suinocultura brasileira e a  importância da realização do 10º IPVS (International Pig Veterinary Society) em 1988

A evolução da suinocultura brasileira e a importância da realização do 10º IPVS (International Pig Veterinary Society) em 1988

Luciano Roppa
A vida intrauterina pode influenciar o desenvolvimento gastrointestinal dos suínos?

A vida intrauterina pode influenciar o desenvolvimento gastrointestinal dos suínos?

Ana Luísa Neves Alvarenga Dias Fernanda Radicchi Campos Lobato de Almeida Fernanda Radicchi Campos Lobato de Almeida Letícia Pinheiro Moreira Thais Garcia Santos
Fêmeas hiperprolíficas: existe manejo ideal durante a lactação?

Fêmeas hiperprolíficas: existe manejo ideal durante a lactação?

César Augusto Pospissil Garbossa
Desequilíbrio entre a oferta e demanda de carne suína e os impactos na rentabilidade do setor

Desequilíbrio entre a oferta e demanda de carne suína e os impactos na rentabilidade do setor

Wagner Yanaguizawa

JUNTE-SE À NOSSA COMUNIDADE SUÍNA

Acesso aos artigos em PDF
Informe-se com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente na versão digital

DESCUBRA
AgriFM - Los podcast del sector ganadero en español
agriCalendar - El calendario de eventos del mundo agroganaderoagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formación para el sector de la ganadería