21 dez 2021

O que você não sabia sobre Mycoplasma hyopneumoniae em suínos

Mycoplasma hyopneumoniae é Mycoplasma sp. mais importante no manejo da saúde suína e o principal patógeno da pneumonia enzoótica, uma doença respiratória crônica em suínos. Leia o artigo completo!

O que você não sabia sobre Mycoplasma hyopneumoniae em suínos

Mycoplasma hyopneumoniae é Mycoplasma sp. mais importante no manejo da saúde suína e o principal patógeno da pneumonia enzoótica, uma doença respiratória crônica em suínos. Além disso, é um dos principais agentes envolvidos no complexo das doenças respiratórias dos suínos.

O que você não sabia sobre Mycoplasma hyopneumoniae em suínos

 

Como outros micoplasmas, o M. hyopneumoniae não possui parede celular. O organismo é muito difícil de isolar devido ao seu crescimento lento e potencial supercrescimento com outros micoplasmas suínos.

Vetanco SuinoBrasil Eu sou a voz do agro

As interações patógeno-hospedeiro são muito complexas e não totalmente caracterizadas.

O organismo é identificado principalmente na superfície da mucosa da traqueia, brônquios e bronquíolos.

Afeta o sistema de purificação da mucosa por meio da alteração dos cílios da superfície epitelial e, além disso, o organismo modula o sistema imunológico do trato respiratório.

Assim, M. hyopneumoniae predispõe os animais a infecções concomitantes com outros patógenos respiratórios.

O controle de infecções por M. hyopneumoniae em rebanhos suínos pode ser alcançado através da otimização das práticas de manejo, habitação e biossegurança.

O tratamento pode ser feito com medicamentos com antimicrobianos ativos contra M. hyopneumoniae.

A medicação antimicrobiana pode limitar as consequências da doença e diminuir o impacto da infecção, mas não impede que os suínos sejam infectados com M. hyopneumoniae.

Vale ressaltar que a vacinação contra M. hyopneumoniae tem se mostrado uma ferramenta útil para controle da infecção.

Diferentes vacinas inativadas de células inteiras estão disponíveis comercialmente e a vacinação é amplamente praticada em todo o mundo.

Em plantéis infectados, a vacinação reduz os sinais clínicos e as lesões pulmonares devido a infecções por M. hyopneumoniae, perda de desempenho animal e uso de antimicrobianos.

Embora as vacinas comerciais sejam amplamente utilizadas e lucrativas em muitas granjas, elas induzem apenas proteção parcial e não previnem a infecção.

Resposta imune 

A interação do patógeno com o sistema imunológico do hospedeiro ainda não está totalmente esclarecida, e está claro que alguns componentes do sistema imunológico podem ajudar e impedir o desenvolvimento da pneumonia induzida por Mycoplasma.

Resposta imune inata

Foi demonstrado que os receptores Toll-like 2 (TLR2) e o TLR6 são importantes no reconhecimento de M. hyopneumoniae por macrófagos alveolares em suínos.

A ativação dessa via de sinal leva à produção de citocinas pró-inflamatórias, como TNF-α, IL-1β e IL-6, por macrófagos alveolares.

O bloqueio dos receptores TLR2 e TLR6 levou à diminuição da produção de TNF-α pelos macrófagos, indicando que os macrófagos alveolares estão envolvidos nas respostas imunes inatas e inflamatórias durante a infecção por M. hyopneumoniae.

Recentemente, eles investigaram as alterações na expressão gênica de células epiteliais suínas da traquéia após infecção por M. hyopneumoniae.

Entre os genes regulados positivamente, foram encontrados vários genes relacionados à resposta imune e à inflamação, como complemento C3, SAA3, quimiocinas (CXCL2 e CCL20) e galectinas.

Essas quimiocinas podem atrair células mieloides. O estudo também sugeriu que a ciliação causada por esse patógeno poderia ser parcialmente explicada pela regulação negativa dos genes ciliares.

Respostas humorais

Após a infecção experimental, os anticorpos IgG séricos específicos para M. hyopneumoniae são detectados 3-4 semanas após a infecção, atingem o pico após 11-12 semanas e diminuem gradualmente.

Após a infecção de reforço, as concentrações de anticorpos séricos aumentam acentuadamente e, em seguida, diminuem lentamente novamente.

A IgM sérica específica para Mycoplasma hyopneumoniae pode ser detectada tão cedo quanto 9 dias pós infecção em condições experimentais.

Quando a infecção ocorre naturalmente, a soroconversão é geralmente mais lenta.

Os anticorpos locais específicos para M. hyopneumoniae precedem os anticorpos séricos específicos após a infecção, mas diminuem mais rapidamente.

Os níveis séricos de IgG específicos de Mycoplasma hyopneumoniae induzidos pela vacinação não se correlacionam com a gravidade das lesões pulmonares em suínos infectados, sugerindo que os anticorpos sistêmicos desempenham um papel menor na imunidade protetora.

 

Respostas mediadas por células

As respostas imunes mediadas por células T são geralmente consideradas importantes para a proteção contra Mycoplasmas que causam infecções respiratórias locais, como M. hyopneumoniae.

As células T são essenciais na regulação das respostas imunológicas e têm um impacto crítico no desenvolvimento da pneumonia induzida por Mycoplasma.

 

Fonte: Maes, D., Boyen, F., Devriendt, B. et al. Perspectives for improvement of Mycoplasma hyopneumoniae vaccines in pigs. Vet Res 52, 67 (2021). https://doi.org/10.1186/s13567-021-00941-x

 

Talvez também te interesse: Os impactos das doenças respiratórias na suinocultura

Relacionado com Patologia e Saúde Animal
Sectoriales sobre Patologia e Saúde Animal

REVISTA SUÍNO BRASIL

Inscreva-se agora para a revista técnica de suinocultura

EDIÇÃO suínoBrasil 4º trimestre 2022
O papel da genética em cenários desafiadores

O papel da genética em cenários desafiadores

Natalia Irano
Genética de suínos no Brasil: o presente é genômico e o futuro é digital e verde

Genética de suínos no Brasil: o presente é genômico e o futuro é digital e verde

Daniele Botelho Diniz Marques Delvan Alves da Silva Letícia Fernanda de Oliveira Paulo Sávio Lopes Renata Veroneze Simone Eliza Facioni Guimarães
PORK 20 ANOS retorna e reúne cinco mil profissionais

PORK 20 ANOS retorna e reúne cinco mil profissionais

Epidemiologia do Seneca Valley Vírus – Parte II

Epidemiologia do Seneca Valley Vírus – Parte II

Dra. Masaio Mizuno Ishizuka
PAN-BR AGRO: nossa ferramenta de controle da resistência aos antimicrobianos

PAN-BR AGRO: nossa ferramenta de controle da resistência aos antimicrobianos

Jalusa Deon Kich
Hiperleitegadas: o que faremos com os leitões excedentes?

Hiperleitegadas: o que faremos com os leitões excedentes?

Gabryele Almeida Joana Barreto Márvio Lobão Teixeira de Abreu Pedro Gomes Thais Oliveira
A suplementação de altrenogest durante a gestação de fêmeas suínas pode trazer impactos positivos sobre a produtividade

A suplementação de altrenogest durante a gestação de fêmeas suínas pode trazer impactos positivos sobre a produtividade

Ana Clara Rodrigues Oliveira Bruno Bracco Donatelli Muro César Augusto Pospissil Garbossa
BalanGut™ LS, melhoria em saúde intestinal e performance

BalanGut™ LS, melhoria em saúde intestinal e performance

Rodrigo Knop Guazzi Messias Rosana Cardoso Maia
A genética do futuro: eficiência com eficácia em um mundo sustentável

A genética do futuro: eficiência com eficácia em um mundo sustentável

Cristian Martinez Flaviana Miranda Luciana Salles de Freitas
Aditivos alternativos apoiam a retirada de antimicrobianos melhoradores de desempenho na suinocultura

Aditivos alternativos apoiam a retirada de antimicrobianos melhoradores de desempenho na suinocultura

Lucas Avelino Rezende
“Ambiência não é só temperatura ambiente”:  uma visão sobre o conceito e importância da ambiência na suinocultura

“Ambiência não é só temperatura ambiente”: uma visão sobre o conceito e importância da ambiência na suinocultura

Fernanda Laskoski Ismael França
A nova cepa probiótica que combina os benefícios das bactérias ácido láticas e o das formadoras de esporos: Bacillus coagulans DSM 32016

A nova cepa probiótica que combina os benefícios das bactérias ácido láticas e o das formadoras de esporos: Bacillus coagulans DSM 32016

Dr. Lydia Zeibich
Definindo padrões para uma suinocultura sustentável

Definindo padrões para uma suinocultura sustentável

Carlos Martins Rodolfo Oppitz Ferreira
Qual a interação entre nutrição, manejo e saúde intestinal?

Qual a interação entre nutrição, manejo e saúde intestinal?

Vinícius de Souza Cantarelli Ygor Henrique de Paula
Com recorde de público, SIAVS promove importantes debates e oportuniza negócios

Com recorde de público, SIAVS promove importantes debates e oportuniza negócios

Juliano Rangel

ESCUTE A REVISTA EM agriFM

agriFM - podcasts em português

JUNTE-SE À NOSSA COMUNIDADE SUÍNA

Acesso aos artigos em PDF
Informe-se com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente na versão digital

DESCUBRA
AgriFM - Los podcast del sector ganadero en español
agriCalendar - El calendario de eventos del mundo agroganaderoagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formación para el sector de la ganadería