25 fev 2024

Manejo nutricional de leitões na fase de maternidade e creche 

Um programa nutricional bem estabelecido é fundamental para garantir não apenas o desempenho ideal dos suínos, mas também a viabilidade econômica da produção suína.

Manejo nutricional de leitões na fase de maternidade e creche 

Manejo nutricional de leitões na fase de maternidade e creche

 

Na produção de suínos, a fase de maternidade e creche são desafiadoras, pois, os leitões necessitam superar fatores adversos, à exemplo do desenvolvimento do sistema gastrointestinal, imune e antioxidante.

Na fase de desmame, ocorre a troca da dieta líquida para sólida, mistura de lote, transporte e troca de ambiente, fatores que intensificam o estresse e o desenvolvimento de bactérias nocivas que podem causar diversas enfermidades.

Estes são fatores bem conhecidos pelos produtores e nutricionistas. A fim de minimizar estes problemas, foram desenvolvidos diversos manejos, soluções ambientais e nutricionais.

Os produtores ou integradores buscam soluções que se adequem melhor ao seu sistema e que maximizem a produção.  

 

Nas primeiras semanas de vida dos leitões, a enzima com maior atividade é a lactase devido ao consumo de leite materno.

Após o desmame, a atividade da lactase reduz, enquanto a atividade das enzimas protease, amilase, lipase e maltase aumentam (Figura 1), devido ao fornecimento de ingredientes proteicos oriundos de fontes vegetais e de origem animal, à exemplo de derivados da soja e milho, farinhas de sangue, plasma sanguíneo, farinha de peixes etc.

Figura 1. Adaptado de Manners et al. (1972) and Kitts et al. (1956).

Na fase de maternidade os leitões têm como a principal dieta o leite materno, que tem a seguinte composição físico-química:

Um manejo nutricional comum é o fornecimento de uma dieta (creep-feeding) dos 5 dias de vida até o desmame, também há a possibilidade de fornecer sucedâneos lácteos aos leitões.

A dieta creep-feeding e os sucedâneos lácteos devem apresentar composições semelhantes ao leite materno.

Considerando a proporção sólida do leite, a dieta creep-feeding e sucedâneos lácteos devem apresentar aproximadamente:

Nos sucedâneos e creep-feeding devem ser utilizados ingredientes com alta digestibilidade, à exemplo de:

Manejo nutricional de leitões na fase de maternidade e creche 

Manejo nutricional de leitões na fase de maternidade e creche

A seleção genética na suinocultura resultou no aumento de fêmeas hiperprolíferas. No entanto, em certas situações a produção de leite não é suficiente para que todos os leitões nascidos expressem seu máximo potencial genético.

O fornecimento de sucedâneos lácteos se mostra um manejo nutricional eficaz em suplementar este déficit de produção de leite nas matrizes suínas hiperprolíferas, resultando em maior peso ao desmame e uniformidade de lote ao desmame.

O consumo da dieta de creep-feeding aumenta a atividade enzimática das enzimas digestivas (protease, amilase, lipase e maltase), secreção biliar, integridade intestinal, entre outros fatores, promovendo o desenvolvimento da saúde intestinal desde os primeiros dias de vida dos suínos e o desempenho produtivo na maternidade.

O leitão na fase de desmame com a saúde intestinal mais robusta, consome mais água e a dieta sólida em menor tempo em comparação aos que não receberam creep-feeding, fatores importantes para o bom desenvolvimento dos leitões na primeira semana de creche e índices produtivos de creche (Sulabo et al., 2010).

Para auxiliar na redução do estresse pós desmame e aumentar o consumo dos leitões nos primeiros dias de vida pós desmame, os seguintes manejos podem ser adotados:

 

Nos programas nutricionais devem ser considerados:

Os programas nutricionais para a fase de creche podem ser compostos de três a seis fases e podem considerar diversos fatores, como os expostos abaixo:

A maioria dos sistemas de produção de suínos utiliza um programa nutricional de quatro fases para leitões de creche (pré-inicial 1, pré-inicial 2, inicial 1 e inicial 2).

Um programa nutricional em fases permite combinar as exigências nutricionais, as capacidades digestivas dos leitões de creche com a dieta mais econômica possível, e alcançar o desempenho máximo na creche.

Os leitões recém-desmamados têm alta capacidade de deposição proteica em relação à quantidade da ração consumida. Portanto, as dietas precisam ser formuladas com ingredientes proteicos de alta digestibilidade.

Ingredientes com baixa digestibilidade aumentam a disponibilidade de nitrogênio para as bactérias patógenas, e a possibilidade da incidência de doenças e síndrome de diarreia pós-desmame.

Como a ingestão de ração após o desmame é baixa, fornecer dieta com composição semelhante à do leite materno é uma estratégia sensata.

É interessante a inclusão de 15 a 20 % de lactose na ração pré inicial 1, fontes energéticas de alta digestibilidade, plasma sanguíneo de 6 a 8 %, 1,6 a 1,7 % de lisina, obviamente a inclusão destes ingredientes devem considerar o preço de mercado da produção do kg de suínos vivos, o sistema de produção do cliente e o preço dos ingredientes.

Manejo nutricional de leitões na fase de maternidade e creche 

Manejo nutricional de leitões na fase de maternidade e creche

À medida que os leitões ficam mais pesados ou mais velhos no desmame, a quantidade das dietas mais complexas (Fases pré-inicial 1 e pré-inicial 2) fornecidas após o desmame pode ser reduzida.

No entanto, é interessante usar os mesmos ingredientes na fase pré-inicial 1 e pré-inicial 2 e reduzir gradativamente a inclusão de lactose e plasma sanguíneo entre as fases de produção.

A descrição de alguns detalhes sobre as dietas das fases pré-inicial 1, pré-inicial 2, inicial 1 e inicial 2, serão resumidas abaixo:

 

 

Manejo nutricional de leitões na fase de maternidade e creche 

Manejo nutricional de leitões na fase de maternidade e creche

 

Manejo nutricional de leitões na fase de maternidade e creche 

Manejo nutricional de leitões na fase de maternidade e creche

O consumo de ração após o desmame é um elemento-chave para impulsionar o desempenho de crescimento em leitões desmamados. Embora as dietas complexas desempenhem um papel crucial no aumento da ingestão de ração nas primeiras semanas pós-desmame, é igualmente importante reconhecer que a complexidade da dieta pode e deve ser reduzida rapidamente.

Isso deve ser ajustado em função do avanço da idade e ganho de peso, na gestão dos custos da ração por unidade de ganho e nas condições das granjas.

Um programa nutricional bem estabelecido é fundamental para garantir não apenas o desempenho ideal dos suínos, mas também a viabilidade econômica da produção suína.

Manejo nutricional de leitões na fase de maternidade e creche 

Manejo nutricional de leitões na fase de maternidade e creche

Referências bibliográficas

Sob consulta do autor

Relacionado com Nutrição e Alimentação
Sectoriales sobre Nutrição e Alimentação

MAIS CONTEÚDOS DE AGRONUTRI

Dados da empresa
país:1950

REVISTA SUÍNO BRASIL

Inscreva-se agora para a revista técnica de suinocultura

EDIÇÃO suínoBrasil 1º TRI 2024
Ferramentas tecnológicas e inovadoras na Suinocultura: muito mais que nutrição

Ferramentas tecnológicas e inovadoras na Suinocultura: muito mais que nutrição

Ana Caroline Rodrigues da Cunha
Salmonella, uma vilã na suinocultura

Salmonella, uma vilã na suinocultura

Luciana Fiorin Hernig
Uso de fitogênico para leitões na fase de creche como melhorador de desempenho natural em substituição aos antibióticos promotores de crescimento

Uso de fitogênico para leitões na fase de creche como melhorador de desempenho natural em substituição aos antibióticos promotores de crescimento

Equipe técnica de suínos da Vetanco
A importância da temperatura da água de bebida para suínos

A importância da temperatura da água de bebida para suínos

Joana Barreto
Suinocultura sustentável e a carne carbono negativo

Suinocultura sustentável e a carne carbono negativo

Rodrigo Torres
Deficiência de ferro em suínos: Patogenia, sinais clínicos, diagnóstico, controle e tratamento

Deficiência de ferro em suínos: Patogenia, sinais clínicos, diagnóstico, controle e tratamento

Cândida Pollyanna Francisco Azevedo
Estreptococose em suínos

Estreptococose em suínos

Adriana Carla Balbinot Fabiana Carolina de Aguiar Mariana Santiago Goslar Taís Regina Michaelsen Cê
Interpretação de laudos laboratoriais na suinocultura: Critérios essenciais para chegar ao diagnóstico e tomada de decisão

Interpretação de laudos laboratoriais na suinocultura: Critérios essenciais para chegar ao diagnóstico e tomada de decisão

Amanda Gabrielle de Souza Daniel
Impacto, desafios sanitários e produtivos do manejo em bandas na suinocultura

Impacto, desafios sanitários e produtivos do manejo em bandas na suinocultura

Ana Paula Mellagi Bernardo Dos Santos Pizzatto Fernando Pandolfo Bortolozzo L. D. Santos Leonardo Abreu Leal Rafael da Rosa Ulguim
Mecanismo de ação dos AA funcionais para melhorar a robustez de suínos em desafio

Mecanismo de ação dos AA funcionais para melhorar a robustez de suínos em desafio

Antônio Diego Brandão Melo Ismael França Luciano Hauschild
Betaína como aditivo modificador de carcaça para suínos

Betaína como aditivo modificador de carcaça para suínos

Amoracyr José Costa Nuñez César Augusto Pospissil Garbossa Mariana Garcia de Lacerda Vivian Vezzoni de Almeida
Desvendando o custo oculto: explorando o impacto do estresse oxidativo na produção de porcas

Desvendando o custo oculto: explorando o impacto do estresse oxidativo na produção de porcas

Allan Paul Schinckel César Augusto Pospissil Garbossa

JUNTE-SE À NOSSA COMUNIDADE SUÍNA

Acesso aos artigos em PDF
Informe-se com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente na versão digital

DESCUBRA
AgriFM - Los podcast del sector ganadero en español
agriCalendar - El calendario de eventos del mundo agroganaderoagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formación para el sector de la ganadería